Especialista indica passo a passo com soluções

Uma forma de perder o controle financeiro é usar o cartão de crédito sem se planejar. Essa é uma das piores maneiras de se endividar, pois as altas taxas de juros cobradas fazem o montante crescer rapidamente – em janeiro, segundo o Banco Central, a taxa do rotativo do cartão de crédito estava em 316,8% ao ano. Para evitar um estrago financeiro ainda maior em meio a uma crise, é importante que você esteja atento às formas de renegociar esse tipo de débito com o banco.

www.gcerta.com.br

 

Em tempos de incertezas econômicas com a pandemia do novo coronavírus, o problema pode atingir muitos brasileiros que perderam empregos ou estão tendo salários reduzidos. Para ajudar, o E-Investidor conversou com Reinaldo Domingos, presidente da Associação Brasileira de Educação Financeira (ABEFIN), que passou dicas de como negociar suas dívidas do cartão de crédito.

1º passo: Confira sua real situação

Segundo ele, o primeiro passo é olhar sua situação financeira para os próximos seis meses. Se for a mesma do período pré-crise e as finanças estiverem equilibradas, nada muda e a pessoa pode seguir pagando o cartão normalmente. Mas se a maré virou e orçamento estiver comprometido pelos próximos 180 dias, aí, sim, o aconselho é parar e renegociar sua dívida.

“A orientação não é dar calote no banco, e sim solicitar prorrogação do pagamento da conta até a sustentabilidade financeira voltar. Caso não faça isso, a pessoa vai quebrar”, afirma o presidente da ABEFIN.

Leia também: Auxílio Emergencial: Quem pode receber o auxílio de R$ 600?

2º passo: Relate sua situação ao banco

Em seguida, você deve entrar em contato com o banco, explicar que sua situação mudou e que deseja negociar a dívida. Domingos diz que o ideal é pedir carência de 180 dias e o pagamento em 12 vezes sem juros ou que acompanhe a Selic – atualmente em 3,75% ao ano.

“Deixe documentado bem claro sua nova situação. É importante informar a instituição e propor uma forma de pagar que se encaixe à sua nova realidade de orçamento”, afirma.

Mesmo assim, se a instituição não aceitar sua proposta, o endividado pode continuar negociando até chegar um acordo com o banco.

3º passo: Não pague a dívida e busque empresa de recuperação de crédito

Em último caso, se o banco não colocar boas condições, o conselho é não pagar a dívida. Domingos explica que, se o novo valor também não cabe no bolso, o endividado vai se complicar outra vez lá na frente.

O presidente da ABEFIN diz que a melhor saída nesse caso é buscar uma empresa de recuperação de crédito para conseguir taxas mais baixas. “Não se preocupe se o banco negativar seu nome nesse momento. Depois você vai negociar para ter condições muito melhores”, diz ele.

No Feirão Limpa Nome do Serasa, por exemplo, que é realizado anualmente, os consumidores que estão endividados conseguem negociar e quitar suas dívidas com descontos que chegam até a 90%, segundo a instituição. E a negociação é feita diretamente com a empresa credora.

O último feirão ocorreu entre os dias 11 e 31 de março e foi 100% online por conta da pandemia do novo coronavírus. Ao todo, 16 instituições credoras participaram, negociando as dívidas diretamente com os clientes. Após o pagamento do novo valor acordado, a empresa credora retira os nomes da lista de inadimplentes em até cinco dias úteis.

Fonte: < https://einvestidor.estadao.com.br/educacao-financeira/como-negociar-divida-cartao-credito/ > Acesso em: 16/04/2020 ás 10h30.